Hepatite: Semana Mundial de Luta Contra a Doença

Publicado por: Equipe Labi Equipe Labi
28/07/2021
9 minutos de leitura
Dia Mundial de Combate a Hepatite

As hepatites são causadas – em sua grande maioria – por vírus e, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), afetam cerca de 325 milhões de pessoas no mundo e causam até 1,4 milhões de mortes por ano. Além disso, estima-se que 57% dos casos de cirrose hepática e 78% dos casos de câncer de fígado sejam causados pelos vírus das hepatites B e C. 

Para se ter uma noção da gravidade da doença, ela é a segunda maior causa de morte entre as doenças infecciosas, perdendo apenas para a tuberculose, e 9 vezes mais pessoas são infectadas com hepatite do que com o HIV. 

Vale lembrar que a hepatite é evitável, tratável e, no caso da hepatite C, curável. Por isso, na semana do dia 28 de Julho é comemorado a Semana Mundial de Luta contra as Hepatites Virais. Conhecido como “Julho Amarelo”, a data tem a finalidade de conscientizar a população sobre os riscos da doença, alertar sobre as formas de prevenção e incentivar as pessoas a se vacinarem contra as hepatites A e B.

O que é a Hepatite?

As hepatites virais são doenças infecciosas graves que afetam o fígado e causam a inflamação do órgão. Vale lembrar que o fígado é importantíssimo para o organismo, já que ele é  responsável pela desintoxicação do corpo, o armazenamento de vitaminas e a sintetização do colesterol.

A grande preocupação com relação às hepatites são os casos mais graves da doença, que podem levar à falência hepática (o fígado deixa de funcionar), a cirrose, que traz várias complicações como hemorragia (vômitos de sangue), ou desenvolvimento de ascite (ganhar líquido na barriga) e até o desenvolvimento de câncer no fígado.

Todas as complicações decorrentes da hepatite são graves e existe risco de morte associado. Por isso, um tratamento adequado é de extrema importância, não só para extinguir a doença (quando é possível), mas também para prevenir a sua evolução e o aparecimento de complicações.

Causas da Hepatite

A hepatite ocorre em suas maioria das vezes através da contaminação por vírus, sendo que no Brasil as hepatites virais do tipo A, B e C são responsáveis pela maioria dos casos da doença no país.

Em casos menos comuns, a hepatite pode decorrer do uso excessivo de alguns medicamentos e bebidas alcoólicas, além de também poder acontecer como consequência de doenças auto imunes, como  o lúpus.

No caso das hepatites virais, a transmissão pode ocorrer por três maneiras principais: pelo contato oral-fecal (Hepatite A), através de relações sexuais desprotegidas (Hepatite B) ou pelo contato com sangue contaminado (Hepatite C).

Entre as formas de contágio mais comuns temos:

  • Contato com urina ou fezes contaminadas;
  • Consumir alimentos ou água contaminados por fezes;
  • Compartilhamento de seringas;
  • Ter relações sexuais desprotegidas (sem preservativo).

Outras formas de contaminação menos comuns são a transfusão sanguínea e de mãe para filho através do parto normal, em mulheres que não fazem corretamente o pré-natal.

Sinais e sintomas da hepatite

A hepatite é uma doença silenciosa e a maioria das pessoas não apresentam sintomas e sequer sabem que estão infectadas. A doença causa sintomas principalmente na fase aguda e é essencial que se procure orientação médica.

Dentre os sintomas mais comuns estão: 

  • Febre; 
  • Fadiga e mal-estar; 
  • Perda de apetite; 
  • Náusea e vômitos;
  • Dor abdominal; 
  • Inchaço na barriga;
  • Urina escura; 
  • Fezes esbranquiçadas;
  • Dores nas juntas;
  • Pele e conjuntiva (parte interna da pálpebra) dos olhos amarelada.

O que é Hepatite A?

Causada pelo vírus da hepatite A (HAV), ela resulta da transmissão pela via fecal-oral, ou seja, quando alguém entra em contato com material fecal de uma pessoa contaminada.

O diagnóstico da hepatite pode ser feito através da observação do paciente e pela confirmação diagnóstica por meio do exame Hepatite A – Anticorpos IgM. É imprescindível que se faça o exame caso haja suspeita de exposição ao vírus para evitar a transmissão e contaminação para outras pessoas. 

Nas crianças, a hepatite A é quase sempre assintomática. No caso dos adultos, a doença pode provocar sintomas que se assemelham a uma gripe e os sintomas surgem de forma repentina cerca de um mês após ocorrer a infecção.

Na maioria dos casos, a infecção evolui sem maiores complicações e não causa problemas hepáticos no futuro. Contudo, pode levar alguns meses até a infecção ser eliminada e a melhor maneira de prevenção é através da vacinação.

O que é Hepatite B?

Essa variação da doença é causada pelo vírus da hepatite B (HBV) e é transmitido de uma pessoa a outra por meio do contato com fluidos corporais, como o sêmen e a saliva. O vírus da hepatite B é transmitido com muita facilidade no contato sexual desprotegido e chega a ser ainda mais transmissível do que o vírus do HIV.

Assim como a hepatite A, a hepatite B normalmente não apresenta sintomas e evolui lentamente. Nos casos onde há manifestação de sintomas, é comum que a pessoa tenha febre, cor amarelada na pele e nos olhos e mal-estar.

O diagnóstico da hepatite pode ser feito através do Teste de Hepatite B e deve ser feito à menor suspeita da doença, já que a mesma pode trazer complicações graves, como a cirrose e o câncer no fígado.

Não existe uma cura para a hepatite B, mas existe uma vacina que faz parte do plano nacional de vacinação que previne o futuro desenvolvimento de Hepatite B.

O que é Hepatite C?

Causada pelo vírus de Hepatite C (VHC), o contágio da doença se dá por meio do contato com sangue de alguma pessoa infectada, principalmente pelo compartilhamento de seringas, agulhas infectadas usadas em tatuagens, acupuntura ou piercings e a partilha de objetos que possam conter sangue contaminado como escovas de dentes e máquinas de barbear. A transmissão também pode ocorrer por via sexual, embora numa percentagem muito menor.

A hepatite C pode ficar assintomática no organismo por até 20 anos após a infecção e, posteriormente, podem surgir alguns sintomas como cansaço, falta de apetite, náuseas ou vómitos, dores musculares ou articulares e emagrecimento. 

Assim como a Hepatite B, as principais complicações da hepatite C são a cirrose e o câncer no fígado, mas ao contrário do tipo B, a Hepatite C tem cura após tratamento, porém ainda não tem vacina disponível.

Portanto, não hesite em fazer o Teste de Hepatite C caso você tenha tido contato com o vírus em alguma situação de risco.

Vacina de Hepatite 

A melhor e mais eficaz maneira de prevenir a hepatite é sem dúvidas a Vacina de Hepatite A e B, que protege contra os tipos A e B da doença. Veja quem deve tomar a vacina e como funciona o esquema de doses:

Vacina de Hepatite A:

A Sociedade Brasileira de Imunização (SBim) recomenda que a Vacina de Hepatite A seja tomada por todas as pessoas a partir de 12 meses de vida.

Esquema de doses:

  • Duas doses com intervalo de seis meses.
  • Recomenda-se que a vacinação ocorra aos 12 e aos 18 meses de idade.
  • Caso ela não ocorra nesse período, é muito importante tomar a vacina o mais cedo possível (inclusive adolescentes, adultos e pessoas 60+).
Vacina de Hepatite A

Vacina de Hepatite B: 

A Sociedade Brasileira de Imunização (SBim) recomenda que a Vacina de Hepatite B seja tomada por pessoas de todas as faixas etárias.

O imunizante faz parte da rotina de vacinação das crianças, devendo ser aplicada nas primeiras 12 a 24 horas após o nascimento. Assim, previne-se a hepatite crônica – forma que pode acometer até  90% dos bebês contaminados ao nascer.

A Vacina de Hepatite B também é especialmente indicada para gestantes não vacinadas.

Esquema de doses:

  • Para a vacinação rotineira de crianças a vacinação é feita em quatro doses: uma dose em formulação isolada ao nascimento e doses aos 2, 4 e 6 meses de vida.
  • A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) recomendam os esquemas de quatro doses ou de três doses: ao nascimento, em formulação isolada, e aos 2 e 6 meses de vida, como parte da vacina hexavalente acelular.
  • Para crianças mais velhas, adolescentes e adultos não vacinados no primeiro ano de vida, recomendam-se três doses, com intervalo de um ou dois meses entre a primeira e a segunda dose, e de seis meses entre a primeira e a terceira.
Vacina de Hepatite B

Além disso, também é muito importante usar camisinha em todas as relações sexuais, não partilhar seringas e adotar medidas de higiene como sempre lavar as mãos antes e depois de ir ao banheiro e antes de se alimentar.

Também é muito importante ser cauteloso ao realizar piercings ou tatuagens, devendo ser exigido materiais novos ou devidamente esterilizados para evitar o contágio de hepatite e outras doenças virais.

No Labi, você toma a Vacina de Hepatite A e B no conforto do seu lar e sem pagar a mais por isso. Conte com o Labi para proteger você e toda a sua família com vacinas eficazes e modernas.

Artigos Relacionados:

Vacina de HPV: entenda a importância

Dia Mundial de Combate à Meningite: saiba como se prevenir

Imunização em tempos de pandemia: não deixe de tomar suas vacinas

Vacina da gripe: por que tomar todos os anos é essencial?

Quer receber novidades? Assine nossa newsletter

Quer receber novidades? Assine nossa newsletter: