ISTs: 6 motivos para você se testar

Publicado por: Equipe Labi Equipe Labi
10/01/2023
5 minutos de leitura

Uma das principais preocupações do governo brasileiro é o aumento de casos de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) nos últimos anos, sobretudo, entre jovens. Segundo especialistas, homens e mulheres desta faixa etária estão deixando de usar preservativos durante as relações sexuais. Como resultado, houve aumento de 479.730 casos de sífilis, de 2010 a 2018, doença que estava controlada e é facilmente prevenida com o uso de preservativo

Principais ISTs

As ISTs são provocadas por mais de 30 agentes infecciosos, por meio do contato, sem proteção, com uma pessoa que esteja infectada. Além da sífilis, outra preocupação é com o HIV. De acordo com dados do governo, a maioria dos casos de infeção é registrada na faixa de 20 a 34 anos (52,7%). As ISTs mais comuns são:

  • Tricomoníase;
  • Hepatites virais;
  • Gonorreia;
  • Clamídia;
  • Herpes;
  • Sífilis;
  • HPV (Papiloma Vírus Humano);
  • HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana).

O descuido com as IST pode causar danos sérios para a saúde. Em mulheres, por exemplo, uma clamídia mal curada pode levar à infertilidade. Outras, como HPV podem resultar em câncer – em ambos os sexos.

As infecções sexualmente transmissíveis são mais comuns do que você imagina

Estima-se que, em 2015, cerca de 1,1 bilhão de pessoas tenham outras ISTs, além do HIV/AIDS. Além disso, cerca de 500 milhões foram infectados com sífilis, gonorréia, clamídia ou tricomoníase, pelo menos, 530 milhões de pessoas têm herpes genital e 290 milhões de mulheres têm papilomavírus humano.

Esses números alarmantes mostram que, essas infecções são bastante comuns e não há motivo para se envergonhar. Afinal, ninguém se envergonha por ter hipertensão, não é mesmo? O importante é diagnosticá-las e iniciar o tratamento médico adequado.

 ISTs nem sempre têm sintomas 

A maioria das infecções sexualmente transmissíveis não apresenta qualquer sintoma. É possível, por exemplo, uma pessoa ter mais de uma IST ao mesmo tempo e não saber. Muitas vezes, 

Por isso, é necessário fazer testes regularmente para diagnosticá-las. Assim, você pode começar o tratamento o quanto antes e evitar possíveis complicações.

Além de ser um cuidado importante para proteger a sua saúde, testar-se para essas infecções também protege a saúde do seu parceiro e pessoas com as quais você tem relações sexuais. Na dúvida, faça o teste!

Quanto antes você iniciar o tratamento, melhor

Quanto antes você diagnosticar uma destas infecções, mais cedo você iniciará o tratamento. A grande maioria das ISTs são passíveis de tratamento e até cura com medicamentos, ou podem ser controladas a maior parte da vida, como o HIV. Com isso, possíveis complicações são evitadas.

No caso de infecção pelo HIV, vírus causador da AIDS, quanto antes o tratamento com antirretrovirais for iniciado, maiores as chances da pessoa se tornar indetectável, ou seja, viver com HIV mas não transmiti-lo sexualmente, e da AIDS não se desenvolver.

Existem diversos agentes infecciosos que podem causar ISTs

Dezenas de infecções sexualmente transmissíveis podem atingir homens e mulheres e uma quantidade considerável de diferentes agentes infecciosos podem causá-las, como vírus, bactérias, fungos e protozoários.

A única maneira de saber qual agente infeccioso está causando os seus sintomas para que o seu tratamento se inicie o mais rápido possível é se testando.

Testar-se regularmente é importante inclusive para pessoas em relações estáveis e monogâmicas

Por mais que você tenha um único parceiro e uma relação monogâmica, é sempre importante testar-se, pelo menos, uma vez na vida, segundo o Ministério da Saúde.

Tenha conversas francas e transparentes sobre o assunto com a pessoa ou pessoas com as quais você está tendo relações sexuais. Não tenha medo! Conversas desse tipo ajudam a criar um laço ainda mais forte de parceria e confiança. Uma dica é tocar no assunto com leveza e, se tiver essa abertura, é possível que os dois façam os testes juntos.

Os riscos à saúde de Testes de ISTs são baixíssimos

Existem diversos tipos de exames que podem ser feitos para detectar ISTs, como sorologias e testes rápidos. No geral, há muito pouco ou nenhum risco à saúde de fazê-los. Você pode sentir uma leve dor ou hematomas no local onde a agulha entrou, mas a maioria dos sintomas desaparece rapidamente.

É comum sentir medo e ansiedade antes do exame e enquanto espera os resultados. Contudo, a tranquilidade que você terá de saber que está cuidando da sua saúde, superará qualquer incômodo.

Faça o Teste de ISTs no Labi

No Labi, temos disponíveis diversos testes para as principais ISTs, como o Teste de ISTs, Teste de HIV 1 e 2, Teste Rápido de HIV, Teste de Sífilis, Teste de Hepatite C, e muitos outros. Você pode realizá-los em uma das unidades em São Paulo, interior e Rio de Janeiro, sem precisar de agendamento, ou se preferir no conforto da sua casa, por meio do Labi em Casa, nosso atendimento domiciliar.

Consulte as unidades em nosso site e o pagamento pode ser feito pelo site com PIX, cartão de crédito e em até 12 vezes. 

E lembre-se: seja com exames, testes, vacinas ou check-ups, conte sempre com o Labi para te ajudar a descomplicar seus cuidados com a saúde.

CONTEÚDOS MAIS LIDOS

Hepatites virais: mitos e verdades
Exames Vacinas

Hepatites virais: mitos e verdades

11/01/2023 5 minutos de leitura
Quer receber novidades? Assine nossa newsletter

Quer receber novidades? Assine nossa newsletter: