Quais os principais riscos à saúde do homem?

Publicado por: Letícia Lana Letícia Lana
23/11/2021
8 minutos de leitura
Homem musculoso sorrindo

A cada cinco pessoas que morrem na faixa etária de 20 a 29 anos, quatro são do sexo masculino e no Brasil, os homens vivem, em média, sete anos a menos do que as mulheres e têm mais doenças do coração, câncer, diabetes, colesterol e pressão arterial mais elevada. 

Mas você sabe o porquê desse cenário? Uma pesquisa do Ministério da Saúde identificou alguns comportamentos e condições, em sua maioria predominantes em pessoas do sexo masculino, que aumentam os riscos de doenças crônicas como diabetes e diversos tipos de câncer. Listamos no artigo quais os principais riscos para a saúde do homem.

Hipertensão Arterial

A Hipertensão Arterial é uma doença crônica caracterizada pelos níveis elevados da pressão sanguínea nas artérias. Ela acontece quando os valores das pressões máxima e mínima são iguais ou ultrapassam os 140/90 mmHg (ou 14 por 9). A pressão alta faz com que o coração tenha que exercer um esforço maior do que o normal para fazer com que o sangue seja distribuído corretamente no corpo.  

Além disso, a doença é um dos principais fatores de risco para a ocorrência de acidente vascular cerebral (AVC), infarto, aneurisma arterial, insuficiência renal e cardíaca e é uma condição que atinge 35,8% dos homens no Brasil. As causas mais comuns para a doença são a alimentação rica em sal e a falta de exercício físico regular.

Normalmente não existem sintomas para a pressão alta, mas em alguns casos pode surgir dor de cabeça, alterações da visão ou tonturas.

Colesterol Alto

O colesterol alto é um quadro em que as taxas de gordura no sangue ficam elevadas, além da quantidade normal do organismo. Um dos motivos pelos quais isso pode acontecer é porque, na maioria dos casos, ao consumir grandes quantidades de alimentos ricos em gordura, o fígado acaba produzindo mais colesterol do que o normal.

Porém, o problema desse aumento é que a gordura se deposita nas paredes das artérias e diminui o fluxo de sangue para coração e cérebro, o que pode gerar uma série de danos à saúde, como derrames e ataques cardíacos.

Obesidade e excesso de peso

A obesidade é o acúmulo de gordura no corpo causado quase sempre por um consumo de energia na alimentação, maior àquela usada pelo organismo para sua manutenção e realização das atividades do dia-a-dia. Ou seja: a ingestão alimentar é maior que o gasto energético, resultando no ganho de massa corporal.

Essa condição é preocupante, porque pessoas obesas têm maior probabilidade de desenvolver doenças como pressão alta, diabetes, problemas nas articulações, dificuldades respiratórias, pedras na vesícula e até algumas formas de câncer.  

Nos últimos 13 anos houve aumento de 67,8% nos índices de obesidade e sobrepeso, e segundo o IBGE, 16,8% dos homens brasileiros estão obesos. Essa alta porcentagem se dá muitas vezes pela falta de exercício e pela má alimentação, já que os homens consomem, comparado às mulheres, menos verduras, saladas e frutas.

Tabagismo e abuso de bebidas alcoólicas

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o tabagismo causa a morte de mais de oito milhões de pessoas por ano e no Brasil, 443 pessoas morrem a cada dia por conta do consumo de tabaco. 

Os danos à saúde causados pelo cigarro já são amplamente conhecidos e o tabagismo é a principal causa de mortes evitáveis em todo o mundo, já que, ele causa mais de 15 tipos de câncer, problemas cardíacos, doenças crônicas, além de doenças cardiovasculares, como infarto e acidente vascular cerebral.

Já o consumo de álcool foi responsável por cerca de 85 mil mortes anuais durante o período de 2013 a 2015 nas Américas, segundo a Organização Mundial da Saúde. E mais homens do que mulheres morreram pelo consumo excessivo de álcool, já que pessoas do sexo masculino foram responsáveis ​​por 83,1% das mortes.

As causas de morte foram principalmente por doenças nos fígados (63,9%) e distúrbios neuropsiquiátricos (27,4%), como dependência ao álcool.

Sedentarismo e alimentação inadequada  

Uma pesquisa feita pelo Instituto Lado a Lado pela Vida e pela farmacêutica Astellas com 2.405 brasileiros de todas as regiões do país, mostrou que no Brasil quase 80% dos homens exageram com frequência no açúcar, sal ou gordura e apenas 35% se exercita pelo menos três vezes por semana, como recomenda a Organização Mundial da Saúde. 

Esses dados são extremamente preocupantes se considerarmos que a adoção de um estilo de vida aliando o fim do sedentarismo, com uma reeducação alimentar beneficia o organismo como um todo, prevenindo diversos tipos de doenças. A má alimentação e o sedentarismo desencadeiam uma série de doenças de alto risco, além da obesidade. Alguns dos diagnósticos mais comuns são: diabetes tipo 2; doenças cardiovasculares e dificuldade para respirar e dormir.

Não visitar o médico regularmente 

A pesquisa feita pelo Instituto Lado a Lado pela Vida e pela farmacêutica Astellas também revelou que no Brasil quase 40% dos homens até 39 anos e 20% daqueles com mais de 40 só vão ao médico quando se sentem mal. 

Isso se deve principalmente a questões culturais, como os estereótipos de gênero, que contribuem para que os homens sejam menos atentos à própria saúde e, segundo estudos realizados pelo Ministério da Saúde, o homem brasileiro não acredita ter tempo para cuidar da saúde e que é menos vulnerável a doenças.

Estas barreiras fazem com que eles não procurem os serviços de saúde com frequência, principalmente para a prevenção de doenças, e apenas  39% dos homens procurariam imediatamente o médico diante de sinais como dor no peito, mesmo estando cientes que este é um  dos principais fatores de risco e sintomas de problemas cardíacos.  

E o fim de ano é uma ótima oportunidade para lembrar que fazer um acompanhamento de saúde não é uma fraqueza, e que o homem precisa realizar periodicamente consultas e check-ups, a frequência necessária pode variar de acordo com o aconselhamento do médico, sendo geralmente anual. 

Os check-ups são essenciais porque atuam de forma preventiva, auxiliando na detecção de possíveis alterações no organismo ou doenças, já que muitas delas não apresentam qualquer tipo de sintoma e só são descobertas por meio da realização de exames periódicos. 

E vale lembrar que o diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento da maioria das doenças, no caso do câncer de próstata, por exemplo, as chances de cura são de até 90% caso ele seja descoberto no começo. Além disso, estar em dia com a sua saúde reduz o estresse, a ansiedade e é um estímulo para a realização de planos e projetos de futuro.

Por isso, o Labi conta com o Check-up do Homem mais de 45 anos, o Check-up do Homem até 45 anos e o Check-up do Homem Trans que reúne uma série de exames em uma única coleta de sangue, assim, você faz uma avaliação geral de saúde, permitindo a descoberta precoce de diversos problemas. 

Dentre eles, estão disponíveis exames que avaliam fatores de risco para doenças do coração (nível das gorduras e proteína C reativa), metabolismo do açúcar; o funcionamento do rim, fígado, ossos e da tireoide, além da análise de hemograma que avalia a saúde geral das pessoas, e o Check-up do Homem mais de 45 anos conta com o Exame de PSA Total, para avaliar possíveis alterações da próstata.

Check-up do Homem mais 45

Portanto, não deixe de cuidar da sua saúde e faça um check-up no Labi de forma simples, descomplicada e da maneira que melhor se encaixa na sua rotina, seja em uma de nossas unidades ou no conforto do seu lar, estamos sempre preparados para te oferecer o melhor do cuidado pelos melhores preços do mercado.

TAGS: check-ups Novembro Azul
Quer receber novidades? Assine nossa newsletter

Quer receber novidades? Assine nossa newsletter: